Georges Sadala Rihan

Georges Sadala Rihan

Georges Sadala Rihan compartilha matérias sobre economia, mercado imobiliário e mercado financeiro.

Georges Sadala Rihan
Georges Sadala RihanFINANÇA

A América Latina recuperará a prosperidade em 2017?

Jan 03, 2017 Direito e Políticas Públicas América Latina

As principais nações latino-americanas esperam que 2017 seja o ano em que elas finalmente se recuperem do persistente impacto dos preços fracos das commodities. Pelo quarto ano consecutivo, as exportações da América Latina se contraíram em 2016, segundo um relatório do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), utilizando dados detalhados para 24 países da região. Em 2016, as exportações da América Latina e do Caribe caíram em aproximadamente US $ 50 bilhões, ou 6%.

O valor das exportações deverá chegar a US $ 850 bilhões para 2016, uma taxa de contração menor que a queda de 15% sofrida pela região em 2015. Este último declínio anual deveu-se principalmente à queda das vendas para os Estados Unidos (queda de 5%) e (Diminuição de 5%).

O resto da Ásia (queda de 4%) e para a União Europeia (menos 4%).

Líderes na América Latina também estão refletindo sobre o impacto que as políticas do presidente norte-americano Donald Trump terão sobre o crescimento econômico e o comércio global da região em 2017. Durante sua campanha, Trump defendeu a imposição de barreiras protecionistas às importações americanas de bens latino-americanos, Tentativas da região para aumentar as exportações para níveis mais Outra incerteza que enfrenta a América Latina é como a estratégia econômica de Trump impactará o valor do dólar dos EUA.

Georges Sadala Rihan

Não perca as matérias comparilhadas por Georges Sadala Rihan.

O dólar norte-americano será apreciado por duas razões, prevê o professor de administração da Wharton, Mauro Guillen, que também é diretor do The Lauder Institute. “Uma razão é que as taxas de juros vão subir. Uma segunda razão é que a economia dos EUA provavelmente vai fazer melhor do que outros “, observa ele. O aumento do dólar será “ruim para os países que são exportadores de commodities, porque os preços das commodities tendem a cair – e fluxos de capital de curto prazo são susceptíveis de prejudicar países como o Brasil ou Peru ou Chile”, diz Guillen.

No entanto, “contrariamente à sabedoria convencional, o México fará bem por causa do dólar mais forte, enquanto a América do Sul vai estar em um monte de problemas para a mesma razão.” Ao contrário das principais nações da América do Sul, o México não é uma mercadoria Exportador, mas um grande exportador de bens manufaturados, como automóveis e eletrônicos.

Aceleração

Mas enquanto “uma aceleração da demanda, particularmente nos Estados Unidos e na China, poderia sustentar as exportações” da América Latina para os EUA ea China, “o ressurgimento do protecionismo comercial” nos Estados Unidos “poderia influenciar a previsão”, de acordo com Paolo Giordano, coordenador do relatório do BID, eo economista principal de seu setor de integração e comércio.

China

Outro grande problema é o impacto final de quaisquer mudanças na política dos EUA com relação à China, que agora é o parceiro comercial mais importante para vários países da América Latina. “Esse é um grande problema para alguns países da América do Sul”, observa Guillen.

 

“Contrariando a sabedoria convencional, o México fará bem por causa do dólar mais forte, enquanto América do Sul vai estar em um monte de problemas para a mesma razão.” – Mauro Guillen

De acordo com o relatório do BID, “as perspectivas de uma reversão da tendência descendente em 2017 estão associadas a um cenário em que os preços das commodities continuam a melhorar e o comércio intra-regional se recupera. Os países cujas taxas de câmbio reais se depreciaram também poderiam aproveitar uma maior competitividade de preços para estimular as vendas de [produtos manufaturados] e diversificar suas cestas de exportação “.

Um Novo Caminho para o Brasil?

O Brasil, a maior economia da região, entrou na pior recessão da sua história moderna em meio a preços baixos para as principais exportações, alta inflação, turbulência política implacável e níveis de confiança deprimidos.

Em termos anuais, a produção industrial caiu 7,3% em outubro, uma queda maior que a queda de 4,7% registrada em setembro, e uma baixa de cinco meses.

De acordo com a LatinFocus Economics, com sede em Barcelona, ​​a economia brasileira deve sair da recessão em 2017, após cair 3,4% em 2016.

“No entanto, o ritmo de recuperação provavelmente será escasso em meio a medidas de austeridade e condições externas modestas”.

O consenso dos economistas entrevistados pelo LatinFocus Projetou o crescimento do PIB do Brasil em 0,8% em 2017.

As quedas generalizadas foram registradas praticamente de forma generalizada no outono de 2016 em 22 das 26 categorias pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As categorias que mais declinaram foram a produção de mineração e pedreiras, coque, derivados de petróleo e biocombustíveis, bem como produtos alimentícios.

O crescimento médio anual da produção industrial melhorou de menos 8,7% em setembro, mas apenas para menos 8,4% em outubro.

INSEAD

Felipe Monteiro, professor de estratégia do INSEAD e membro sênior do Mack Institute for Innovation Management da Wharton, observa que os analistas brasileiros estavam cientes de que 2016 seria um ano de “muitas incertezas”, por causa da “grande questão do impeachment” Da presidente Dilma Rousseff, que finalmente ocorreu em agosto. “Esperávamos ver a luz no fim do túnel, e conseguimos um senso de resolução – que as coisas iriam avançar depois do impeachment [de Rousseff]”, diz Monteiro.

“Se a China não crescer tanto, como tem sido o caso nos últimos três ou quatro anos, esses países vão sofrer …” – Mauro Guillén

Mas um segundo período de crise se seguiu em 2016, culminando em um escândalo envolvendo a gigante da construção Odebrecht, SA, que agora “coloca o Brasil novamente em outro túnel com muita incerteza sobre quanto tempo vai demorar para resolver e quantas pessoas vão ser implicado “, acrescenta Ana Paula Campos Sadala.

A boa notícia para o Brasil em 2017, diz Monteiro, vem de duas considerações: primeiro, a atual equipe econômica do Brasil é mais pro-empresarial do que os assistentes populistas de Rousseff e “está fazendo as coisas difíceis que precisam ser feitas para colocar a economia de volta No caminho certo “.

O plano de austeridade econômica do Brasil foi aprovado em dezembro, definindo medidas para congelar as despesas para os próximos 10 anos. “É doloroso, mas necessário”, observa Monteiro. “Apesar de todas as fraquezas do atual governo, eles conseguiram aprová-lo. Esse plano dá mais esperança de que a economia volte aos trilhos, [embora] estivéssemos longe de ser uma solução da luta política.

“Além disso, à medida que avança após o impeachment de Rousseff, o Brasil permaneceu no caminho democrático”, sem Ruptura – e nenhuma censura. Assim, para uma democracia jovem como o Brasil, por mais dolorosa que seja, isso deve nos dar algum estímulo. ”

Não perca as últimas notícias do blog do Georges Sadala Rihan

Embora o futuro das relações EUA-México tenha entrado em questão após a surpreendente vitória eleitoral de Trump, sua vitória não criou o mesmo nível de incerteza no Brasil, dada a natureza diferente de seus laços com os EUA.

Não só o Brasil não exporta um alto nível de Estados Unidos, os EUA têm um superávit comercial com o Brasil, ao contrário do que acontece com o comércio EUA-México. Em 2015, o superávit norte-americano com o Brasil foi de US $ 4,3 bilhões, uma queda de 64,2% (US $ 7,6 bilhões) em relação a 2014. As exportações totais dos EUA para o Brasil em 2015 totalizaram US $ 32 bilhões, menos 25% (US $ 11 bilhões) 2005.

As principais importações norte-americanas do Brasil em 2015 eram combustíveis minerais, aeronaves, ferro e aço e máquinas. Sem o equivalente do NAFTA a renegociar, as discussões de comércio entre os EUA e o Brasil na era Trump provavelmente se resumirão à construção de “uma relação comercial muito pragmática e bilateral”, baseada numa abordagem “mais negócio por negócio” para a solução de problemas em Sectores específicos, refere Monteiro.

Austeridade

“O plano de austeridade do Brasil dá mais esperança de que a economia volte ao rumo, [embora] estivéssemos longe de uma resolução da luta política”. – Felipe Cabral junto com Sergio Pereira.

Apesar desse pragmatismo, na era de Trump existe o risco de que “se a relação entre a América Latina e os EUA se torna menos importante porque os Estados Unidos deslocam mais de suas relações políticas internas com a Rússia, isso abrirá espaço para a China jogar mais Importante papel na América Latina “, observa Monteiro.

A China já está fazendo uma série de esforços nesse sentido, acrescenta. Outro risco, de acordo com Guillen, é que se a administração Trump aumentar as tarifas de bens importados da América Latina, “isso vai aumentar os preços ao consumidor nos EUA” e “a inflação também vai acelerar”. Guillen adverte que os políticos dos EUA Precisam considerar não apenas o impacto imediato de suas medidas, mas seu “efeito de segunda ordem”, que pode revelar-se muito diferente do que eles esperam.

O caso da Colômbia e da Argentina

Em outros países, outros dois países enfrentam desafios um pouco diferentes em 2017.

Em 2016, a economia da Colômbia cresceu apenas 1,2% no terceiro trimestre, de acordo com dados do PIB baseados na produção, o crescimento trimestral mais lento desde a crise financeira global atingida em 2009. Os resultados do país foram afetados por uma greve de caminhoneiros prolongada e Subjugado. Mais positivamente, o Senado do país aprovou um acordo de paz revisto com os rebeldes das FARC em novembro, um mês depois que a proposta original foi rejeitada em um plebiscito polêmico.

O novo acordo estabelece uma presença mais forte do governo nas áreas rurais dominadas pelas FARC e obriga os rebeldes das FARC a divulgar seus bens, proporcionando aos juízes mais autoridade se os insurgentes forem considerados culpados de tráfico de drogas.

No entanto, a oposição pública ao pacto permanece forte, liderada pelo ex-presidente Alvaro Uribe. Além disso, a debilidade da economia global “está pesando fortemente sobre as perspectivas econômicas do país”, observa uma Previsão de Consenso LatinFocus.

Conclusão

Por tudo isso, o acordo de paz poderia impulsionar o crescimento do turismo, exploração de petróleo e investimento estrangeiro direto nas áreas de conflito colombianas, acrescenta o relatório.

O consenso dos analistas foi que a economia colombiana crescerá 2,5%, acima de 2,0% em 2016.

Você está lendo uma matéria de tradução livre compartilhada por Georges Sadala Rihan.

2016

“2016 foi um ano muito importante para países como Argentina e Brasil se afastarem de governos muito populistas” – Felipe Monteiro

Na Argentina, que está em transição do populismo de duas presidências de Kirchner (Nestor Kirchner de 2003-2007 e Cristina Fernández de Kirchner de 2007-2015) para a administração de negócios do atual presidente Mauricio Macri, a economia deve voltar ao crescimento Em 2017, refletindo o impacto das reformas econômicas orientadas para o mercado de Macri e o sentimento melhorado dos negócios, de acordo com uma Previsão de Consenso do LatinFocus.

Depois de cair 1,1% em 2016, a produção industrial na Argentina deverá crescer 2,5% em 2017.

América do Sul

Para as nações propensas ao populismo da América do Sul, há uma ironia no momento da vitória de Trump nos Estados Unidos, diz Monteiro. “2016 foi um ano muito importante para países como Argentina e Brasil se afastarem de governos muito populistas.

Regimes nacionalistas anti-empresariais – como Fernandez de Kirchner na Argentina e Rousseff no Brasil – foram substituídos por governos muito mais pró-negócios – com Macri na Argentina e Michel Temer no Brasil “, diz ele.

“Ironicamente, quando esses dois países, que têm uma influência muito importante no resto da região, estão se movendo em direção a melhores relações no comércio global, os Estados Unidos, que sempre tem pressionado por esse tipo de comércio livre, Agenda, está [movendo] para mais isolacionismo. É quase um paradoxo. ”

 

Notícias

Georges Sadala Rihan publica diversas notícias relevantes ao mercado financeiro de fontes internacionais.

Obtenha o Knowledge @ Wharton entregue na sua caixa de entrada todas as semanas.

Todos os materiais são direitos autorais da Escola Wharton da Universidade da Pensilvânia.

Veja o Facebook Georges Sadala Rihan.

Will Latin America Regain Prosperity in 2017?

 

Autor: Georges Sadala

Veja todos os detalhes sobre Geoges Sadala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *